Sobre

Izan Müller da Silva

Natural de Canguçu (RS), mas mora a mais de 30 em Pelotas (RS), formado em Administração de Empresas (Faculdade Atlântico Sul), com Pós Graduação em Gerenciamento de Projetos (SENAC) e Gestão Estratégica de Negócios (UCPEL), trabalho no IPO – Instituto Pesquisas de Opinião (Pelotas) como analista de pesquisa, apaixonado por esportes, torcedor do G. E. Brasil e da A. A. Ponte Preta.
Apenas a título de curiosidade comecei a torcer primeiro para a Ponte Preta em 1977 por causa da famosa decisão com o Corinthians seria o primeiro jogo televisionado na minha cidade e como todos resolveram torcer para o Corinthians eu resolvi torcer para a macaca e desde de lá a paixão só cresceu. Com o Brasil começou a paixão em 1979 pois o Brasil tinha uns nomes estranhos Renato Cogo, Cláudio Radar, Castilhos, Flecha, Kita, Odir, Tino, e como era motivo de deboche pois era o time da negrada, aquilo me incomodava, e teve um impacto muito grande e virou uma paixão.

Pesquisa:
Sempre gostei de esportes, gostava de juntar materiais revistas, fotos, recortes de jornais, jornais antigos principalmente do G. E. Brasil e A. A. Ponte Ponte Preta.
Mas pesquisar a fundo nunca tinha pensado em fazer, jamais tinha entrado numa Biblioteca Pública, mas em 16.07.2003 resolvi pesquisar afundo a história do G. E. Brasil, o grande motivo de começar a pesquisa é porque cada dia principalmente nos programas esportivos de Domingo das rádios antes e depois das jornadas esportivas os plantões esportivos davam a cada semana um resultado e autores diferentes dos gols de um mesmo jogo que haviam comentado na semana anterior.
A partir disso foi criado os Alfarrábios Xavantes – Arquivo Histórico, que tinha o intuito de pesquisar toda a história do G. E. Brasil desde a sua fundação, fichas técnicas dos jogos, resultados, atletas, técnicos, presidentes, estádios, títulos, maiores artilheiros, quem mais jogou, ficha de cada atleta, fotos dos estádios, foto das equipes, foto dos atletas, mas a pesquisa não se restringiu não só ao futebol, mas também os outros esportes do clube, como futebol de salão, basquete, xadrez, vôlei e bolão.
Hoje são mais de 4.000 jogos catalogados, a e muito pela frente ainda hoje ainda são cerca de menos de 200 jogos que não tenho a ficha técnica, diversos trabalhos publicados sobre o clube e suas campanhas e colaboração em vários livros de amigos pesquisadores.
Foram 13 anos pesquisando diariamente na Biblioteca sempre no horário do almoço, pesquisei todo o acervo jornal por jornal, folha a folha, quando terminei a pesquisa do G. E. Brasil nos jornais vi a necessidade de pesquisar os outros clubes, E. C. Pelotas, G. A. Farroupilha, C. A. Bancário e todos os outros clubes do futebol pelotense, atualmente faltam aproximadamente uns 10 anos para fechar a pesquisa do futebol pelotense.
Com a gloriosa A. A. Ponte também a pesquisa segue o mesmo padrão da pesquisa do xavante.
E no último resolvi fazer uma nova pesquisa de um outro clube que sempre tive admiração e curiosidade o Íbis S. C., o famoso pássaro preto mais conhecido com a alcunha de “pior time do mundo”, o projeto de pesquisa tem o nome de Memória Ibiense.

João Batista Lopes da Silva
Natural e morador de Viamão (RS), Analista de Sistemas, pesquisador de futebol e genealogia, comecei a pesquisar entre os anos de 1986 e 1988, do jeito e forma que a época permitia, com cadernos, recortes de jornais, tabelão da Revista Placar, ou seja, mais ou menos como muitos do que iniciaram nessa mesma época.
Comecei a pesquisar nos arquivos da FGF em 1997 e e entrei para a RSSSF Brasil em 2000, no ano de 2004 iniciei juntamente com os outros colegas pesquisadores o projeto Sumulastchê, primeiramente com site e depois como Blog. Sempre tendo em mente o objetivo de disponibilizar dados para que outros colegas possam pesquisar e conhecer a história do futebol, tanto no âmbito regional como nacional.
Não poderia deixar de citar nomes que fizeram parte da minha formação como “entendido” nas coisas do futebol, como por exemplo: Alvirubro, César Freitas, Laert Lopes, Izan Müller, José Luiz Tavares Maciel, Marlon Compassi, Rafael Rizzon, Rafael Vinholes e Santiago Reis, esses caras foram pessoas que tiveram grande influência no começo organizado das minhas pesquisas, foi quando eu mudei do universo ler jornais e copiar em cadernos e fui me adaptando a outros estilos, esse pessoal moldou a minha forma de ver, procurar, armazenar e compartilhar dados, junto é claro ao gesto do meu pai, Eliseu Rosa da Silva, que em 1987, vendo que eu anotava tudo o que via e ouvia sobre futebol, resolveu comprar e me presentear com uma Revista Placar, que digamos acelerou e destravou de vez o vírus da pesquisa na minha personalidade.

Agradecimento Especial ao colega Lucas Scherer, pela arte nos logos do blog.

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: